sábado, 25 de abril de 2009

CLAUDINE LONGET - Run Wild, Run Free - USA - 1970

claudine capa

Querida Claudine...


claudinel


Nascida em Paris em janeiro de 1942.
Infelizmente sua fama de ter assassinado seu namorado,
a lenda do esqui, Spider Sabich, se tornou maior que seus
discos e sua carreira nas artes dramáticas.

couple

O famoso dia fatídico em que descarregou as balas de um
revolver no estômago do namorado numa cabana na cidade
de Aspen, deixando-o mortalmente ferido no banheiro.
Esta cantora tão linda, de voz tão docê e angelical
foi protagonista de uma vida tão cheia de idiossincrasias e
contrastes que "só a realidade pode criar".

Viveu momentos de celebridade ao se casar com o rei da
Easy Listening Andy Willians, quando toda a imprensa quis
fazer daquele relacionamento como um grande conto de fadas.

tvguide21564

Mas na realidade a forma como ambos se conheceram foi
lasciva e ainda quando ela, recém chegada da frança dançava em
cabarés obscuros em Las Vegas fazendo aqueles famosos
showzinhos solos de stripper que a gente vê em filmes até hoje.

crawdaddy

No caso, Willians estava mais para um velho babão caçador
de menininhas.
Deste conto de fadas nasceram alguns filhos a quem ela muito
se dedicou posteriormente.

andy1212_big



Lançou ao todo 7 Lps, entre 1967 à 1972, mas nunca teve
oportunidade de encontrar seu público ao vivo.
Na realidade, seu trabalho naquele momento foi muito mal
ouvido porque a juventude da época estava mais ligada ao
rock e as experiências mais extremas que ele proporcionava.

cutecrop

Claudine soava como cafona e adocicado demais.
Talvez aquele universo de doçura lhe fosse mais saudável
buscando uma pureza que lhe foi arrancada logo cedo, mas
com certeza é clara uma densa melancolia nas entrelinhas
de seu "sunshine pop".

cancan
Ela é a terceira de pé da esquerda pra direita.

Claudine nasceu no 14 º distrito de Paris - perto do Sena e
em uma área povoada maioritariamente por estudantes de arte.
"É o centro de Paris", diz Claudine com orgulho, e acrescenta:
"Quando o movimento existencialista começou foi onde
e quando eu comecei."
Não era uma área que os turistas frequentavam, o que dava
bastante liberdade aos estudantes e artistas.

claudine

Logo cedo, no frescor de sua infância já tinha certeza de sua
vocação para a arte dramática.
Frequentou a Academia das Artes estudando com pessoas
que dedicavam a vida ao teatro e também envolveu-se com
o balé clássico.
Logo aos 10 anos de idade interpretou uma garotinha possuída
numa montagem teatral da maravilhosa obra literária de Henry James
"A VOLTA DO PARAFUSO".

No brasil foi lançado em dvd o filme hollywoodiano que
remete à essa estória chamado "Os Inocentes".
Se você ainda não conhece, está bobeando...

Muitos questionaram se aquela experiência não iria marcá-la
pela natureza tão cruel e sórdida da obra, mas ela disse
que não se importava com isso e que foi uma experiência
fascinante na qual ela entendeu mesmo aos 10 anos.

Sua primeira grande produção foi aos 15 anos após
conhecer Jean Cocteau, o baluarte do surrealismo, dramaturgo,
autor, produtor/diretor e cineasta.
Ela foi escalada pelo mestre para atuar em "A Maquina Infernal",
baseado numa tragédia grega.
A Longetzinha interpretou Antígona.

smile2

Aos 16 ela já estava totalmente enturmada com a galera
modernista do teatro de vanguarda.
Naquela loucura toda, aos 17 ele foi morar na itália e foi
lá, nesse momento, que ela foi convidada à acompanhar uma
trupe teatral à se mudar para os Estados Unidos.
Dizem que ela foi por causa de uma "namorada", ual!
Esse povo do teatro...

runforyourlife

Não demorou muito, uma conexão aqui, outra ali, era já estava
dançando nua em Las Vegas.
Em 1960 estava sim, afundada na putaria clássica.
Nessa coisa toda que ela conhece o "Bom Moço" Andy Willians,
o rei das cocotinhas...

timconway

how1

Na real não foi um mal negócio, porque aos poucos ela
foi trabalhando como atriz em filmes e seriados de TV como
"Combat", "Hogan's Heroes", "Dr. Kildare" e muitos outros.

mchales5

mchales

ski

Numa dessas ela aparece cantando "Meditação" e foi onde
Herp Alpert levou a princesa para a gravadora A&M e a lançou
como cantora proficional.

billboard

Seu primeiro disco chamou apenas "CLAUDINE".
Havia um grande charme naquela bonequinha com sotaque
francês que não era nada muito especial para as mulheres
mas que dava muito tesão nos homens.

2f8e_1

Ganhou disco de ouro!
Mesmo assim sua carreira como cantora não foi nada meteórica
e nem teve tanto destaque.

claudine_gold

Era apenas uma garotinha (já nem tão novinha assim) com
aquela deliciosa vozinha pequena que exigia um mix bastante
rebaixado da orquestração.

beach

Parra o grande público e indústria fonográfica já existia como
referência máxima o grupo The Carpenters, de dois irmãos
(AMERICANOS) muito mais talentosos e com grandes vozes.
Quem seria Claudine para concorrer...
Mesmo assim, em seus álbuns existem excelentes versões de
clássicos da época como Beatles ou Stones, mas sempre numa
pegada mais leve e fofinha.

begun_ad

Seria um pecado deixa de citar sua participação no filme
"Um Convidado Bem Trapalhão" com Peter Sellers

party3

Ela interpreta uma garota que busca uma chance como cantora e
que acredita no papinho dum corôa que tá só afim de comê-la,
que a leva pruma festa mega rica na casa de um produtor
de hollywood e a faz cantar para todos alí um deliciosa bossinha
chamada "Nothing to Loose" composta por ninguém menos
que Henry Mancini, autor da trilha.

No filme a vida dela tá tão sem perspectivas que ela acaba
ficando com um ator lixo indiano atrapalhado, no caso o
também comedor Peter Sellers.

party6

party9

O single dessa música foi um dos maiores sucessos de sua
carreira, mas nunca apareceu nos álbuns.

partylp

Este álbum que aqui apresento é o quinto de sua carreira e
segue exatamente o padrão da cantora que nem sequer teve
oportunidade de guinar sua carreira, mas o título do disco
torna-se bastante sugestivo ao conhecer-mos a história dessa
moça. Dá pra entender o quanto ele é de verdade...

andy

Depois de toda merda do assassinato, ela acabou sendo
acolhida pelo ex-marido e pai de seus filhos Andy, o que
foi muito legal da parte dele.
Ela passou pouco tempo presa e logo foi transferida para uma
espécie de prisão domiciliar.

jail

Era isso mesmo que a moça precisava. Chega de encrencas!

squint

Claudine está viva até hoje, mas ninguém a vê ou sabe onde está.
Jamais foi visto uma única foto de sua aparência hoje.
Mas onde quer que esteja, querida Claudine, saiba que uma
nova geração nasceu e que foi capaz de apreciar muito sua
obra e sua leveza melancólica.
Nós a amamos muito!

autographed

Tracklist:

1. Everybody's Talkin' 2:40 (Fred Neil)
2. Lazy Summer Night 2:45 (Harold Spina)
3. Little Man (Little Woman) 2:35 (Danny Janssen)
4. A Bushel and a Peck 3:25* (Frank Loesser)
5. Love Can Never Die 2:56 (Smokey)
6. Something 2:20 (George Harrison)
7. Don't Remind Me Now of Time 2:51 (John Simon-Peter Yarrow)
(From motion picture "You Are What You Eat")
8. Golden Slumbers 2:47 (Lennon-McCartney)
9. Run Wild, Run Free 2:41 (Don Black-David Whitaker)
(From Columbia picture "Run Wild, Run Free")
10. This Changing World (De L'Automne a L'Automne) 3:07
(Original Text, Roland Valade-English Lyric, Diana Spryopulos-Music, Jean-Claude Oliver)
11. Thank You Baby 2:42 (Bruce Johnston-Denie Dudley)

1ef5_1

ouça aqui

5 comentários:

jose damiano disse...

caro pb:
foi muito bom vc ter postado esse disco da claudine longet, era o único que me faltava!
o texto e as fotos estão excelentes.
informações sobre ela são raras, mesmo na internet.
não dá para entender como uma pessoa tão angelical, com voz tão delicada possa ter feito o que fez... não sei o que é mais absurdo: ela ter atirado nele ou ele te-la traido...
de qq maneira ela deixou discos emocionantes como este run wild run free q estou ouvindo agora.
grande abraço, josé

Anônimo disse...

Parabéns pela excelente reportagem.

Anônimo disse...

ADORO CLAUDINE E NÂO ENTENDO POR QUE NÂO FALAM SOBRE ELA...O texto ta otimo ..muito bem escrito e informativo...

Anônimo disse...

posta mais....

roberto disse...

o mínimo que essa maravilhosa garota devia ao mundo - já que ela não era nenhuma gp - garota previsível -, era ter matado alguém. tipos assim que nos deixam com esperança na humanidade: capazers de fazer o que nós queremos: gravar o que queremos e matar quem bem entendermos, principalmente quem nos fode. é isso ai, gata!!!

 
Music Top Blogs